sábado

O Mel do Melhor 22: Alejandra Pizarnik




A vigésima segunda edição de O Mel do Melhor apresenta poemas de uma das melhores poetas argentinas de todos os tempos, Alejandra Pizarnik, do livro Los Trabajos Y Las Noches (1965). Trata-se de uma pequena homenagem aos seus 70 anos de nascimento (29.04.1936 - 25.09.1972). São nada menos do que 20 poemas traduzidos por Lílian Gandon e revisados por mim, Carlos Besen. É o primeiro de uma série de traduções a mãos dadas. Aproveite e sugira outras versões, como lhe aprouver.






ALEJANDRA PIZARNIK: Los trabajos y las noches



EM TEU ANIVERSÁRIO

Recebe este rosto meu, mudo, mendigo.
Recebe este amor que te peço.
Recebe o que há em mim que és tu.



EN TU ANIVERSARIO // Recibe este rostro mío, mudo, mendigo./recibe este amor que te pido./Recibe lo que hay en mí que eres tú./


* * * * * * *


SOMBRA DOS DIAS POR VIR
................................ a Ivonne A. Bordelois

Amanhã
Vestir-me-á com cinzas o amanhecer,
Encher-me-ão a boca de flores.
Aprenderei a dormir
Na memória de um muro,
Na respiração
De um animal que sonha.



SOMBRA DE LOS DÍAS A VENIR / a Ivonne A. Bordelois // Mañana/me vestirán con cenizas el alba,/me llenarán la boca de flores./Aprenderé a dormir/ en la memoria de un muro,/ en la respiración/ de un animal que sueña.


* * * * * * *


MORADAS
................................a Théodore Fraenkel

Na mão arrepiada de um morto,
Na memória de um louco,
Na tristeza de um menino,
Na mão que busca o copo,
No copo inalcançável,
Na sede de sempre.



MORADAS / a Théodore Fraenkel // En la mano crispada de un muerto,/ en la memoria de un loco,/ en la tristeza de un niño,/ en la mano que busca el vaso,/ en el vaso inalcansable,/ en la sed de siempre.


* * * * * * *


A VERDADE DESTA VELHA PAREDE

que é frio é verde que também se move
chama ofega gane é halo é gelo
fios vibram tremem
................................ fios
é verde estou morrendo
é muro é mero muro é mudo mira morre



LA VERDAD DE ESTA VIEJA PARED // que es frío es verde que también se mueve / llama jadea grazna es halo es hielo / hilos vibran tiemblan / hilos / es verde estoy muriendo/ es muro es mero muro es mudo mira muere


* * * * * * *


FESTA

tinha estendido minha orfandade
sobre a mesa, como um mapa.
Desenhei o itinerário
até meu lugar ao vento.
Os que chegam não me encontram.
Os que espero não existem.

E tinha bebido licores furiosos
para transmutar os rostos
num anjo, em copos vazios.



FIESTA // he despleado mi orfandad/ sobre la mesa, como un mapa. / Dibujéel itinerario / hacia mi lugar al viento. / Los que llegan no me encuentran. / Los que espero no existen.// Y he bebido licores furiosos/ para transmutar los rostros / en un ángel, en vasos vacíos.


* * * * * * *


O CORAÇÃO DO QUE EXISTE

não me entregues,
................................ tristíssima meia-noite,
ao impuro meio-dia branco



EL CORAZON DE LO QUE EXISTE // no me entregues, / tristísima medianoche, / al impuro mediodía blanco


* * * * * * *


AS GRANDES PALAVRAS
a Antonio Porchia

ainda não é agora
agora é nunca
ainda não é agora
agora e sempre
é nunca



LAS GRANDES PALABRAS / a Antonio Porchia // aún no es ahora / ahora es nunca / aún no es ahora / ahora y siempre / es nunca


* * * * * * *


MADRUGADA

Nu sonhando uma noite solar.
Sepultei dias animais.
O vento e a chuva me apagaram
como a um fogo, como a um poema
escrito num muro.



MADRUGADA // Desnudo soñando una noche solar. / He yacido días animales. / El viento y la lluvia me borraron / como a un fuego, como a un poema / escrito en un muro.


* * * * * * *


OS TRABALHOS E AS NOITES

para reconhecer na sede meu emblema
para significar o único sonho
para não me sustentar nunca de novo no amor

fui toda oferenda
um puro errar
de loba no bosque
na noite dos corpos
para dizer a palavra inocente



LOS TRABAJOS Y LAS NOCHES // para reconocer en la sed mi emblema / para significar el único sueño / para no sustentarme nunca de nuevo en el amor // he sido toda ofrenda / un puro errar / de loba en el bosque / en la noche de los cuerpos / para decir la palabra inocente


* * * * * * *


TUA VOZ

Emboscado em minha escritura
cantas em meu poema.
Refém de tua doce voz
petrificada em minha memória.
Pássaro preso à tua fuga.
Ar tatuado por um ausente.
Relógio que bate comigo
para que nunca desperte



TU VOZ // Emboscado en mi escritura / cantas en mi poema./ Rehén de tu dulce voz / petrificada en mi memoria. / Pájaro asido a tu fuga. / Aire tatuado por un ausente. / Reloj que late conmigo / para que nunca despierte


* * * * * * *


O OLVIDO

na outra margem da noite
o amor é possível

leva-me

leva-me entre as doces substâncias
que morrem a cada dia em tua memória



EL OLVIDO // en la otra orilla de la noche / el amor es posible // --llévame-- // llévame entre las dulces sustancias / que mueren cada día en tu memoria


* * * * * * *


VOZ MENDIGA

E ainda me atrevo a amar
o som da luz numa hora morta,
a cor do tempo num muro abandonado.

Em meu olhar o perdi todo.
É tão distante pedir. Tão perto saber que não há.



MENDIGA VOZ // Y aún me atrevo a amar / el sonido de la luz en una hora muerta, / el color del tiempo en un muro abandonado. // En mi mirada lo he perdido todo. / Es tan lejos pedir. Tan cerca saber que no hay.


* * * * * * *


AMANTES

uma flor
................................ não longe da noite
................................ meu corpo mudo
se abre
à delicada urgência do sereno



AMANTES // una flor / no lejos de la noche / cuerpo mudo /se abre / a la delicada urgencia del rocío


* * * * * * *


POEMA

Tu escolhes o lugar da ferida
onde emitimos nosso silêncio.
Tu fazes da minha vida
esta cerimônia demasiada pura.



POEMA // Tú eliges el lugar de la herida / en donde hablamos nuestro silencio. / Túhaces de mi vida / esta ceremonia demasiado pura.


* * * * * * *


FORMAS

não sei se pássaro ou jaula
mão assassina
ou jovem morta entre velas 

ou amazona ofegando na grande garganta escura
ou silenciosa
mas talvez oral como uma fonte
talvez jocosa
ou princesa na torre mais alta.



FORMAS // no sé si pájaro o jaula / mano asesina / o joven muerta entre cirios // o amazona jadeando en la gran garganta oscura / o silenciosa / pero tal vez oral como una fuente / tal vez juglar / o princesa en la torre más alta.


* * * * * * *


ANTES                               
................................ a Eva Durrell

bosque musical

os pássaros esboçavam em meus olhos
pequenas jaulas



ANTES / Eva Durrell / bosque musical// los pájaros dibujaban en mis ojos / pequeñas jaulas


* * * * * * *


OS PASSOS PERDIDOS (Inédito)

Antes foi uma luz
em minha linguagem nascida
a poucos passos do amor.

Noite aberta. Noite presença.



LOS PASOS PERDIDOS (Inédito) / Antes fue una luz / en mi lenguaje nacido / a pocos pasos del amor. // Noche abierta. Noche presencia.


* * * * * * *


ONDE CIRCUNDA O ÁVIDO

Quando acaso venha meus olhos brilharão
da luz de quem choro
mas agora alimenta um rumor de fuga
no coração de toda coisa.



DONDE CIRCUNDA LO ÁVIDO // Cuando sí venga mis ojos brillarán / de la luz de quien yo lloro / mas ahora alienta un rumor de fuga / en el corazón de toda cosa.


* * * * * * *


NOMEAR-TE

Não o poema da tua ausência,
somente o esboço, uma fissura num muro,
algo no vento, um sabor amargo.



NOMBRARTE // No el poema de tu ausencia, / sólo un dibujo, una grieta en un muro, / algo en el viento, un sabor amargo.


* * * * * * *


SENTIDO DE SUA AUSÊNCIA

se eu me atrevo
a olhar e dizer
é por sua sombra
unida tão suave
a meu nome
lá longe
na chuva
em minha memória
por seu rosto
que ardendo em meu poema
dispersa harmoniosamente
um perfume
ao amado rosto desaparecido



SENTIDO DE SU AUSENCIA // si yo me atrevo / a mirar y a decir / es por su sombra / unida tan suave / a mi nombre / allálejos / en la lluvia / en mi memoria / por su rostro / que ardiendo en mi poema / dispersa hermosamente / un perfume / a amado rostro desaparecido



(poemas extraídos de: http://pizarnik.iespana.es - excelente site, com material farto)

25 Comments:

Anonymous Elisa said...

carlos, estou apaixonada por estes poemas da alejandra, obrigada por ter disponibilizado essas jóias. muito bom mesmo. bom domingo!

20/5/06 20:39  
Anonymous Ingrid Klinkby said...

um rápido: obrigada!

6/6/06 21:48  
Blogger Priscila Fernandes said...

Muito bom o que você nos traz aqui. Alejandra Pizarnik: do mel, sem dúvida, uma das melhores. Sua "Festa" me tocou profundamente.

19/6/06 12:34  
Blogger 朝川栄一 [Asakawa Eiichi] said...

não me canso dela. Admirável concisão.

2/7/06 19:41  
Blogger Wilson Guanais said...

gostei .

27/7/06 23:19  
Anonymous alexnadre barbosa de souza said...

carlos,
sou editor de poesia da revista ácaro e em nosso número 4 publicaremos algumas traduções de poemas da pizarnik. desta sua seleção, coincidimos no poema do aniversário, mas acho que a nossa ficou um pouco diferente. espero que você não se incomode - a seleção foi feita antes que eu visse o teu recado na comunidade do orkut. se quiser trocar uma figurinha sobre ela, é só me escrever no ale@cosacnaify.com.br

13/9/06 16:49  
Anonymous Assis said...

Olha, Parabéns!
Os textos de Alejandra são de uma portência infinita, que bom que tbm gosta e pôde colocá-los no "ar"...
estarei sempre por aqui!

Abraço!

Assis.

6/10/06 14:45  
Anonymous Flavio Ferretti said...

insustentável... beleza densa!

14/11/06 15:41  
Anonymous Mauro Jorge Santos said...

Parabéns Carlos Besen e Lílian,

Já conhecia seu trabalho Carlos do Orkut, e admiro seu trabalho e erudição.
Adoro Pizarnik, até hoje só conheço uma tradução em livro para o português, que é a tradução portuguesa da Editora Correio dos navios.

Vamos manter contato,
Um grande abraço,
Mauro Jorge Santos

20/1/07 09:05  
Anonymous Mauro Jorge Santos said...

Parabéns Carlos Besen e Lílian,

Já conhecia seu trabalho Carlos do Orkut, e admiro seu trabalho e erudição.
Adoro Pizarnik, até hoje só conheço uma tradução em livro para o português, que é a tradução portuguesa da Editora Correio dos navios.

Vamos manter contato,
Um grande abraço,
Mauro Jorge Santos

20/1/07 09:06  
Anonymous Mauro Jorge Santos said...

Sei que vc também é leitor de Akhmatova(vi no teu Balaio), outra poeta russa muito parecida com Pizarnik é Marina Tsvietaieva. Vc já leu os ensaios dela publicados pela Hiena?
Caso queira podemos combinar e eu te envio um xerox.

Grande abraço,
Cambio final,
Mauro Jorge Santos

20/1/07 09:11  
Blogger Mão Branca said...

Oi, Carlos.
Considerar a Alejandra a melhor poeta argentina foi escolha sua ou é senso comum entre os poetas de lá?
Não que eu discorde, pelo contrário, na verdade sei pouco sobre ela.

Pelo que li, vi que é mestra na arte de versar sobre sentimentos que abraçam a verdadeiro motivo de poetar: mostrar a beleza do feio, do estranho e principalmente do triste.
E a concisão é magistral. É o que penso: junte dor e boas palavras, corte 95% e vc tem uma poesia. Depois basta gastar meses rearrumando a ordem e voilá. Tá fera.
Adorei a moça.

28/2/07 18:25  
Anonymous ediney santana said...

Os poemas são muitos criativos e sinceros nas imagens,também há uma verdade forte da semântica tão necessária para a realização poética.

1/3/07 10:49  
Anonymous juliano said...

concordo com a Priscila, e me tocou muito profundamente tembem o poema "festa".

22/6/07 20:13  
Anonymous homem da cave said...

que belos poemas! Obrigado pela descoberta!

5/7/07 18:57  
Anonymous Anônimo said...

Que beleza de poemas!

Ada (adalima@gmail.com)
(www.meninagauche.blogger.com.br)

8/9/08 15:48  
Blogger Pomena?! said...

Fiquei impressionada e o que senti, inspirada nesses poemas de Alejandra Pizarnik, foi simples:

sina
no centro há sempre sede.

Adorei.
Ana Claudia
www.annacronica.blogspot.com

10/11/08 22:06  
Blogger Assis de Mello said...

Que preciosidade esta que você nos põe nas mãos !!
Vou explorar com atenção o blog todo.
Já o "linkei" ao meu. Visite-me.
Um abraço,
Chico (Assis de Mello)

17/1/09 19:30  
Anonymous Talitra Rosalles said...

Só fizeste-me bem apresentando-me esses sons de Alejandra vou viver cantando mais, gracias.

18/1/09 12:31  
Blogger Vania Vidal said...

Bom dia! Paul Valèry diria que a beleza é fácil de definir: ela é tudo aquilo que desepera. Mas se a beleza nos é insustentável de tão densa, como não estar a seus pés e grato por isso?
abç
vania

20/1/09 16:00  
Blogger Eliane Melo said...

Adorei achei lindíssimo...
não conhecia tamanha criatividade, foi um prazer conhecer Alejandra...

Parabéns

12/11/09 22:43  
Blogger João Guilherme said...

Oi, Carlos Besen. Tudo jóia?

Onde posso encontrar seu livro para comprar? Consigo achar traduzido outras obras da Alejandra Pizarnik como La condesa Sangrienta?
Um grande abraço,

João Guilherme

16/6/10 10:49  
Blogger . said...

Ela é maravilhosa. Eu adoro!

11/7/10 18:56  
Blogger Divina said...

A tradução é muito importante para difusão da literatura. Parabéns pelo trabalho. Sugiro rever a tradução dos poemas SOMBRA DE LOS DÍAS A VENIR (verbo vestir - 3a. pessoa do plural)e AMANTES (a poeta não usou pronome possessivo para corpo). Mais uma vez, parabéns, gostei muito de visitar esse espaço. Nana Reis Rodriguez.

31/3/11 21:10  
Anonymous Anônimo said...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

7/1/13 16:09  

Postar um comentário

<< Home